30 de agosto de 2009

Sr. Feliz e Sr. Contente

Estávamos no ano de 1975 e Nicolau Breyner lançava Herman José (por acaso para preencher 3 minutos de vazio do programa!....e que estava dando os primeiros passos no teatro de revista), no sketch “Sr. Feliz e Sr. Contente” num programa de variedades da RTP que se chamava País das Maravilhas, gravado no Frou-Frou, sala que viria a ser ocupada pelo bingo do Sporting e mais tarde demolida para dar origem a um acesso à estação de metro do Campo Grande.

A par das aparições de fim de semana no “Passeio dos Alegres”, de Júlio Isidro, fazendo o sketch de "Tony Silva" foi nestes dois programas que Herman José se tornou conhecido do grande público. Neste programa País das Maravilhas, Nicolau Breyner mostrava também o seu grande talento para a comédia. Para mim um dos grandes comediantes portugueses que enveredou pela carreira de actor realizador e produtor de novelas.

                                                   Capa do disco da música deste sketch

                                  

"Como passa Sr. Contente?
Como está meu caro e amigo e Sr. Feliz?
Diga à gente, Diga à gente
Como vai este país..."

Um refrão ainda hoje seria bem actual.

Garagem Imperial

                                  Entrada e uma bomba de abastecimento de combustível Shell

                             

                                                 Serviços de mecânica, Lubrificação e óleos 

                             

                            Serviço de recolha de automóveis muito em vulgo até finais dos anos 60

                             

                             

Oficinas de Automóveis

                                                       Oficina de automóveis, em 1920

                             

                                                                         Oficinas dos CTT

                             

                                                                      Oficina de Bate-Chapa

                             

Os" 5 Violinos"

Entre 1946 e 1949 estes 5 grandes jogadores fizeram história no SCP - Sporting Clube de Portugal, e no futebol português.

                                 

Seus nomes pela ordem da foto: Jesus Correia, Vasques, Peyroteo, Travassos e Albano.

Estoril e suas atracções turísticas ....

Aqui reproduzo dois posters publicitários à zona da "Costa do Sol"  - também chamada “Linha do Estoril” - e Estoril

  

para quem os nomes de Hotel do Parque e Estoril-Termas não lhe diga nada pois já desapreceram há muitos anos aqui vão suas fotos ....

                                                                             Hotel do Parque

                                

                                                                             Palácio Hotel

                               
                   
                                                                             Estoril - Termas 

                               

                                                                          Monte-Estoril Hotel

                               

                                                                             Casino Estoril

                               

Paquete “Infante Dom Henrique”

O “Infante Dom Henrique” , construído pelos estaleiros “J. Cockerill Ship-building Ltd ”, em Hoboken, na Bélgica, foi último dos grandes paquetes portugueses a ser construído.  A 1ª prestação de 31.076.695$00 (155.010,00 euros)  foi paga no acto da celebração do contracto de construção, em Lisboa a 18 de Julho de 1957.

                                 Lançamento á água, nos estaleiros “J. Cockerill Ship-Building Ltd ”,, em 1960

                               

Lançado à água em 29 de Abril de 1960, o “Infante Dom Henrique” depois dos acabamentos e aprestamento começou a navegar em 7 de Fevereiro de 1961.

                                                                            Provas de mar em 1961

                                 

                                 

Características:

Tonelagem de arqueação (t.a.b.): 24.000 t
Propulsão: dois grupos de turbinas a vapor, Westinghouse , com uma potência total de 22.000 SHP

Veios de hélices: 2
Comprimento: 195,50 m
Boca (largura): 24,50 m
Velocidade máxima: 21 nós
Passageiros: 1018 assim distribuídos:
1ª Classe -   156
Turística A - 384
Turística B - 478

Tripulação: 318 elementos

Por cada dia de navegação o “Infante Dom Henrique” consumia 150 toneladas de fuel e 200 toneladas de água.

Além de quatro grandes salões e bares, o “Infante Dom Henrique” dispunha de dois restaurantes, biblioteca, sala de leitura, sala de escrita e duas salas para crianças, cabeleireiro, hospital e duas capelas, cujos altares foram fabricados com pedra do promontório de Sagres.

                                             Lobby                                                    Átrio da 1ª classe, com a estátua do Infante

       

                                     Bar da 1ª classe                                                                    Camarote

       

                       Sala de Jantar da 1ª classe                                   Salão de música e festas da classe turística                 

       
        fotos in: Blogue dos Navios e do Mar                                 

No ano de 1964 a frota da C.C.N. estava quase que completamente devotada às linhas de África. O "Infante Dom Henrique" saía de Lisboa para o Funchal, Luanda, Lobito, Cape Town, Lourenço Marques, Beira, tocando os mesmos portos no percurso de regresso à Metrópole. O "Império" e o "Pátria" cumpriam um mesmo itinerário: Lisboa, Funchal, São Tomé, Luanda, Lobito, Moçâmedes, Cape Town, Lourenço Marques, Beira, Moçambique, Nacala (por vezes) e Porto Amélia. Já o "Uíge" percorria apenas a costa ocidental de África: partindo de Leixões, aportava em Lisboa, Las Palmas (Canárias), São Tomé (por vezes), Cabinda, Luanda, Lobito, Moçâmedes. No regresso o "Uíge" escalava, ainda, o Funchal. Já os navios cargueiros da Colonial - "Lobito", "Luanda", "Ganda", "Amboim", "Benguela" e "Lugela" - demandavam nesse ano de 1964 todos os portos das colónias portuguesas em África, de acordo com as necessidades e demandas de fretagem.

                                                  Bilhete de Passagem do “Infante Dom Henrique”, em 1966

                                              

Depois de ficar ao abandono durante anos no porto de Sines, passa a ser propriedade do Gabinete da Área de Sines servindo de alojamento a trabalhadores entre 1977 e 1986 ....

                                                             Em 1976 fundeado no “Mar da Palha” em Lisboa

                                

                                                                      “Infante Dom Henrique” em Sines 

                                   

Adquirido pelo armador grego George Potamianos, foi alvo duma profunda reconstrução e remodelação orçada em 50 milhões de dólares efectuada no porto de Pireu na Grécia. Como em Sines lhe tinham retirado os hélices, o “Infante Dom Henrique”  teve de ser rebocado para Lisboa onde chegou em Fevereiro de 1988, e posteriormente em Março do mesmo ano  rebocado de novo, desta vez para a Grécia.

                                                       Reconstrução do “Infante Dom Henrique” na Grécia

                                       

                                                    Já reconstruído e mudado o nome para “Vasco da Gama” 

                                       

 

Regressou ao serviço como navio de cruzeiros tendo sido fretado pelo gigante operador turístico alemão ocidental, “Neckermann Reisen,” começando os seus cruzeiros a partir do porto de Bremerhaven, na Alemanha. Quando da sua escala em Lisboa, em 5 de Dezembro de 1988, sofreu um incêndio na casa das máquinas o que obrigou a ser rebocada até aos estaleiros em Bremerhaven, tendo chegado a 17 de Dezembro.

Depois de reparado partiu para uma volta ao Mundo a 7 de Janeiro de 1988., uma volta ao mundo e centenas de viagens nas Caraíbas, o navio foi vendido à companhia “Cruise Holdings”, das Bermudas, em 1995, passando a chamar-se “Seawind Crown”. 

                                                                    "Seawind Crown"  em Barcelona em 2003

                                 

                                                                        "Seawind Crown"  nas Caraíbas

                                 
                                               fotos in:
ssMaritime.com

O último dono foi a “Premier Cruises”, companhia americana, que o adquiriu para efectuar cruzeiros nas Caraíbas. No ano 2000, ficou exclusivamente na Europa, em Barcelona, para cruzeiros no Mediterrâneo. Por falência da companhia e por ordem da autoridade do Porto de Barcelona, o navio foi arrestado nesse mesmo ano.

Em 2003 é vendido do navio a interesses indianos e larga a 28 de Dezembro de 2003 para a China, com o nome “Barcelona” e bandeira da Geórgia. Em 12 de Janeiro de 2004 passa o Canal do Suez rumo á Índia.Foi desmantelado entre Março e Maio de 2004. O seu último comandante foi Amadeu Albuquerque.

Para a elaboração deste artigo foi consultado também o livro: «Paquetes Portugueses», de Luís Miguel Correia, Edições Inapa, Lisboa, 1992

15 de agosto de 2009

Garage Herculano e a Auto-Gazo

Uma automóvel a abastecer de gasolina na “Garage Herculano” em 1920, numa bomba da “Auto-Gazo”, gasolina distribuída pela “Vacuum Oil Company” .

                                             Garagem Herculano 1920

Esta distribuidora de combustíveis promoveu a passagem da condução da esquerda para a direita a 1 de Junho de 1928. Até essa data todos os carros circulavam pela esquerda e possuíam volante à direita, como ainda hoje em Inglaterra.

                                     Um “Houdson”, iniciando a nova era na condução em Portugal

                                 Auto Gazo (Houdson car) 1928

                                                         Publicidade em 1927, à “Auto-Gazo”

 

Bibliotecas Itinerantes

Em 1958 a ‘Fundação Calouste Gulbenkian’ iniciava o serviço de Bibliotecas Itinerantes pelo país fora. Eram carrinhas da marca Citroên, que transportavam um certo numero de livros para que no local onde elas estacionassem os leitores os pudessem consultar.

Esta ideia de levar o livro aos portugueses das zonas rurais, partiu de Branquinho da Fonseca, conhecido escritor e bibliotecário. Foi um sucesso popular : em 1962, já havia 47 bibliotecas ambulantes a circular pelo país, com 300 000 leitores assíduos e mais 3 milhões de livros emprestados.

                                   1958 Biblioteca Itinerante

A Câmara Municipal de Lisboa, passava a disponibilizar, também, este serviço à comunidade

                     “Bibliotecas” estacionadas no Palácio Galveias - Biblioteca Municipal de Lisboa

                                   1958 Biblioteca Itinerante.2jpg

                                            Uma “Biblioteca Móvel” circulando em Cascais

                                  

O Foguete

A viagem inaugural do "Foguete" entre Lisboa e Porto em Abril de 1953. Nesta foto a atravessar a ponte D. Maria Pia no Porto. 

                                  

«Em pouco mais de quatro horas”, sem incidentes e dentro do horário previsto» o novo comboio ligou Santa Apolónia, em Lisboa à estação de S. Bento, no Porto. Assim dava conta o Boletim da CP de Abril de 1953, com referência à viagem oficial inaugural daquele que ficou conhecido como “o foguete”.

Com duas automotoras e uma lotação de 174 lugares em composição normal, eram muito cómodos, pois os assentos ofereciam a facilidade de se poder mudar a posição dos encostos. O “Foguete” ficou conhecido nas décadas de 1950 e 1960 pela inovação no conforto e luxo para a época dos serviços prestados relativamente aos anteriores “Rápidos”, que faziam a mesma ligação em cinco horas.

O novo comboio era composto por uma automotora FIAT série 500-1953 a diesel , que substituiu a composição de máquina e carruagens. A CP comprou três comboios construídos em Itália. Circulavam a uma velocidade máxima de 120 km/h e tiveram, em média, uma ocupação diária de 356 passageiros, em 1956, e de 382 no ano seguinte, de acordo com estatísticas da época citadas por José Eduardo Neto da Silva e Jaime Amaro na edição n.º 0 do 1º trimestre de 2002 da publicação “O Foguete”.

                                   

Tinha ar condicionado e «serviço de refeições servidas no lugar ocupado pelo passageiro», esclarecia o boletim da CP. As carruagens eram todas de primeira classe, tendo os passageiros que pagar taxa de velocidade e marcação de lugar. Além das elites nacionais – artistas de cinema e teatro, futebolistas e classe política - viajava sempre uma brigada de mecânicos para resolver avarias. Foram, de resto, as constantes avarias que deixavam, por diversas vezes, o “Foguete” em plena via, que marcaram o princípio do fim deste comboio.

9 de agosto de 2009

Primeiro Gravador - Leitor de Cassetes em Portugal

Eis o modelo da Philips do primeiro gravador-leitor de cassetes à venda em Portugal no ano de 1969. Lembro que a Philips inventou a cassete de música, a vídeo cassete, o CD e o CD-ROM.

                                             

Este modelo custava por volta dos 1.000$00 (5€) (que era uma quantia substancial para a época) e foi apresentado com outros modelos no edifício Philips nas Amoreiras que posteriormente passou para a RDP e agora é simplesmente de escritórios.

 O edifício da futura sede da Philips em Portugal, ainda em construção, na Avenida Engº Duarte Pacheco nas Amoreiras

                                

Nessa altura meu pai ofereceu-me o modelo custava 1.500$00 (7,5€). Ofereceram uma cassete da orquestra de James Last ("Trumpet à Gogo") e outra do Tom Jones ("She's a Lady"). Tanto o gravador como as cassetes ainda os possuo e em perfeitíssimo estado.

Comprava cassetes «virgens» da TDK C120 de 120 minutos (2 horas) na “Estereosom”, loja na Avenida Duque d’Ávila em Lisboa, já desaparecida, e que custavam 20$00 (0.10€) cada. Como o meu pai me dava uma semanada desse valor ... .todas as semanas comprava uma. Foto a seguir

                                            

Aqui começou o meu gosto pela Hi-Fi. Neste estabelecimento que abriu nos anos 60 do século XX,  situava-se na Av. Duque de Ávila, esquina com a Av. 5 de Outubro, Lá comprei ao longo de 30 anos muitos aparelhos de som principalmente gravadores. Pena ter desparecido, já no século XXI esta belíssima loja de HI-Fi que ainda hoje faria inveja a muitas mais recentes. Era representante exclusiva da TEAC -TASCAM e das fitas TDK. Seu dono era o sr. Gonçalves.

Locomotivas a Vapor da C.P. (1)

A primeira locomotiva a vapor em Portugal propriedade da “Caminhos de Ferro do Sul e Sueste - CFS”, de seu nome “D. Luiz” .

Foi fabricada em 1855, em Manchester, nas oficinas ‘Beyer Peacock & Cª. Ltd’, por encomenda de uma empresa de capitais ingleses, designada por Companhia do Sueste de Portugal (Southeastern Railway of Portugal), que à época estava a construir as linhas Vendas Novas - Casa Branca - Évora/Beja.

                             

                             

                                                

                             

Foi esta locomotiva que integrou o comboio, que no dia 26 de Outubro de 1856, foi inaugurado o primeiro serviço público de Caminhos de Ferro em Portugal, a “Linha de Leste” ligando, neste dia, Lisboa ao Carregado na distância de 36,454 Kms. Este comboio foi composto por catorze carruagens e duas locomotivas, indo na carruagem do centro a família real e na primeira a guarda real dos archeiros. Uma das locomotivas era a locomotiva a vapor nº 1

Quadros de Maluda (2)

                                                                 Colecção "Quiosques"

                                                           Image and video hosting by TinyPic

                

                    Outras belíssimas pinturas para esta série de selos "Faróis da costa portuguesa"