31 de dezembro de 2011

Marinha de Guerra Portuguesa (8)

                                                A Marinha de Guerra portuguesa em 1899                      

                               

                                                          Cruzador «D. Carlos I», de 1899

                          

                                                             Contratorpedeiro «Liz»,de 1914

                           

                                                       Draga-Minas «Ribeira Grande», de 1956

                            

                                                                  Corveta «Cachéu», de 1964

                             

30 de dezembro de 2011

V Exposição das Caldas da Rainha

A “V Exposição Agrícola, Industrial e dos Automóveis das Caldas da Rainha”, abriu as suas portas, no Parque D. Carlos I, em 21 de Agosto de 1927. Cinco dias depois a 26 de Agosto de 1927, a Vila das Caldas da Rainha seria elevada a cidade.

                                                                       Entrada da Exposição

              

                                Pavilhões do Parque e à direita a fachada do cinema “Salão Ibéria”

                          

                                                                   Esplanada no parque

                           

Apesar do Presidente da República não ter podido estar presente por impedimentos políticos, este enviou um seu representante, o general comandante da Região Militar de Lisboa. Marcaram presença os ministros do Interior, da Marinha, e da Agricultura.

                                                                Cerimónia de inauguração

                             

Na organização deste evento este a cargo de uma Comissão composta por elementos da Associação Central da Agricultura de Lisboa, da Câmara das Caldas da Rainha, e da Associação Industrial do Porto, entre outros.

                                                                        Benção do gado

                             

Esta Exposição contou com 407 expositores entre «stands» nacionais e estrangeiros. Produtos regionais em cerâmica, tapetes, cutelaria, ourivesaria, tecelagem, maquinaria, artes aplicadas, marcenaria, automóveis, etc ...    

       Máquinas de Costura “Mundlos”             Perfumes “Nally” e “Benamor”                     Cimento “Liz”

     

    Candieiros “Petromax” da “Shirley & Cª.” de Lisboa            Camioneta de passageiros “Ford” da “Orey, Lda.”

 

                                      Anúncio ao pequeno carro “Hanomag” na foto da “Petromax”

                                               

Anúncios de 1927 à “Orey, Ltd.” representantes dos automóveis «Lincoln», «Ford» e «Fordson» assim como as camionetas «Ford», e tractores agrícolas «Fergusson»

                                   

                                   

   Companhia Industrial Portuguesa, Marinha Grande                         “Salsicharia Favorita”, de Lisboa

 

        “Companhia de Cervejas Estrella”, de Lisboa                                 “Casa Sampaio”, bilhares e jogos

 

                          “Siemens” aspiradores                                   “Nestlé” representada por Justin Rousé, de Lisboa

 

                 “Auto Gazo”, gasolinas e petróleos                                                  Cartazes publicitários

 

fotos in: Hemeroteca Digital, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

29 de dezembro de 2011

Alguns Records até … 1932

Neste anúncio da “Anglo Portuguese Telephone Cº Ltd.” (APT) publicado na revista “Ilustração” , pode-se ficar a conhecer os records atingidos até Setembro de 1932, a nível mundial, em diferentes categorias.

                         
                              Foto in: Hemeroteca Digital

Sanatório Marítimo do Norte

Entre finais do século XIX e princípios do século XX, a Europa assistiu a um movimento inovador de construção de «Sanatórios», preferencialmente edificados em zonas onde se pudesse vislumbrar uma Natureza ainda pouco transformada pelo desenvolvimento económico, designadamente junto ao mar, com base no conceito formulado pelo médico suíço, Arnold Rikli , segundo o qual: «A água é benéfica; o ar é ainda mais, mas a luz é melhor».

Contudo, o início da 1.ª Guerra Mundial (1914-1918) provocaria um acentuado decréscimo na sua proliferação. Foi, no entanto, em pleno conflito bélico, e numa altura em que Portugal se envolvia directamente no seu desenrolar, em 1916, que se procedeu à construção na freguesia de Valadares, concelho de Vila Nova de Gaia, do “Sanatório Marítimo do Norte”, concebido pelo arquitecto Francisco de Oliveira Ferreira,a quem, em 1909, se atribuíra o primeiro lugar no concurso para o monumento a erguer aos Heróis da Guerra Peninsular, na cidade de Lisboa.

Sanatório Marítimo do Norte em fotos de 1917

 

Este Sanatório foi fundado pelo Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves, médico competente e um homem generoso, sempre pronto a ajudar quem não podia pagar consultas, medicamentos ou tratamentos. Inaugurado em 19 de Agosto de 1917, esteve vocacionado para o tratamento de diversas doenças, nomeadamente da tuberculose, por aproveitamento dos efeitos benéficos da água do mar e do sol.

Mais de 3000 doentes ortopédicos foram tratados beneficiando de uma cura a longo prazo, sob um sol excelente, uma assistência médica e medicamentosa muito especial, assim como a alimentação e acima de tudo uma atenção total que era dedicada por todos os elementos daquele Sanatório.

Enfermaria

«No Sanatório também se ministrava o Ensino Primário Oficial às crianças em idade escolar, além de conseguirem empregos para doentes curados e os mais instruídos ajudavam os menos capacitados nos cursos por correspondência. Na década de 60 houve mesmo pessoas que iam ao Sanatório para suprirem as suas carências alimentares».

Solários

fotos in: Hemeroteca Digital
 
O Sanatório acolheu milhares de doentes até 1978, data em que, por doação efectuada pelo filho do fundador, Dr. Álvaro Ferreira Alves, passou para a posse do Estado. A partir dessa data deixou de funcionar, sendo posteriormente cedido à “Associação S.João de Deus”, ligada ao Presidente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses e para efeito de instalar ali um equipamento de apoio a enfermeiros aposentados, o que nunca foi feito, limitando-se o seu uso a servir de residência para o Presidente do referido sindicato e sua família, o que motivou diversas acções judiciais que culminariam com a cessação da cedência.

O edifício foi-se degradando, até à decisão governamental, em 2010, de instalar ali o Centro de Reabilitação Física do Norte, procedendo a obras de reabilitação e ampliação.

28 de dezembro de 2011

Interiores de Estabelecimentos Comerciais (2)

                                 “Estabelecimentos Jerónimo Martins & Filho, Lda.” - charcutaria

                            

                                                                      Interior de Chapelaria

                            

                                                 “Grande Bazar do Porto”  - discos e gramofones

                             

                                                              “Jacques Pinto” - papéis pintados

                              

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

26 de dezembro de 2011

Fados Antigos (3)

Capas de partituras de fados, do início do século XX.

                                   

                                   

                                      
                                    fotos in: Ephemera

23 de dezembro de 2011

Quadra Natalícia

A árvore de Natal foi criada na Alemanha e tratava-se de um pinheiro enfeitado com maçãs. O primeiro registo sobre a montagem de uma árvore de Natal, no entanto, vem da Letónia, em 1510.

                            

O costume de comer perú no Natal surgiu em Plymouth, Massachussets nos Estados Unidos da América, em 1621.

                                      Venda de perús no Natal, em Lisboa no início do século XX

                            

O «Pai Natal» foi inspirado na figura de São Nicolau, que nasceu em Patras, Grécia, no séc. III. Em alguns países, ele é chamado de «Santa Claus». Na Rússia e em outras partes, a Igreja Ortodoxa comemora o Natal em 6 de Janeiro.

                                                                               Pai Natal

                             

O primeiro presépio foi montado por São Francisco, na cidade de Assis em Itália, no séc. XII.

                                                    Presépio de Machado de Castro, de 1766

                              

E em Portugal o Natal ao longo do século XX em algumas imagens …

               Montra de Natal da “Sapataria Lord” e o Circo de Natal no “Coliseu dos Recreios”, de Lisboa

 

                                                                                  1965

                                    

                                                          Propaganda de Boas-Festas dos CTT

                             

                                              Iluminações de Natal nas ruas da baixa de Lisboa …

 

                                                           …. na Praça Marquês de Pombal …

                             

                                                           … e voltando à baixa lisboeta

 

                                                                                    1965

            Cheque Disco para «Single» ou «LP»                                Um dos famosos «Bolo-Rei» de Lisboa

 

           Descarga de brinquedos para a “Kermesse de Paris”, na Rua 1º de Dezembro, e entrada da loja

     

  Multidão aguardando os números premiados da «Lotaria do Natal» de 1920, no Largo de São Roque em Lisboa

                             

                                                                   Natal do polícia sinaleiro                                         

                                           

                      «Cabaz do Natal», em 1963                                                      «Eva» do Natal

   

fotos in: Hemeroteca Digital, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Arquivo Municipal de Lisboa, Fundação Portuguesa das Comunicações

Aproveito este post para desejar a todos os leitores, seguidores e amigos deste blogue um feliz Natal de 2011 e Boas Festas.