28 de fevereiro de 2013

O Telefone em Portugal (12)

                   “Aptofone” de 1930, com mecanismo de moedas tipo cabine e a lista de assinantes de Lisboa

                             

                                                                    Estação telefónica de Coimbra

Estação dos CTT.2 

 

Stand da “Anglo Portuguese Telephone” no “Salão de Outono “Voga” em  1928, com a presença do General Carmona

Stand da APT .1 

O Chefe do Estado, ao deslocar-se ao stand da “Companhia dos Telefones”, onde se encontravam os respectivos directores «fez uma ligação para sua casa, tendo ocasião de verificar a rapidez e perfeição com que se fazem ligações - quando as meninas dos telefones querem» in: Diário de Lisboa

                                                                                           1936

                                            

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

27 de fevereiro de 2013

Estabelecimentos Comerciais de Lisboa (13)

                                                                “Instanta” na Rua Nova do Almada

                              

                                                                                    “Higea, Lda.”

                              

   Casa de Câmbio e Loterias “Campião & Cª”, na Rua do Amparo                                  Tabela de câmbios

 

  

                                                         “Blackwood Hodge, Lda.”, na Avenida Almirante Reis

 

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Arquivo Municipal de Lisboa

26 de fevereiro de 2013

Restaurante - Cervejaria "Solmar"

O Restaurante-Cervejaria "Solmar" foi inaugurado em 12 de Dezembro de 1956, na Rua das Portas de Santo Antão, em Lisboa. Viria a ocupar o espaço do extinto, “Club Arcádia”, um dos famosos Clubs Nocturnos de Lisboa.

 

Os irmãos galegos António e Manuel Paramés, deram início a este empreendimento em 1954, ao encomendarem aos arquitectos Bevilaqua, Botelho e Curado do gabinete do Professor Jorge Pinto, o projecto de arquitectura da que viria a ser a maior e melhor marisqueira do país.                                                                 

Para alcançar esse objectivo, os seus proprietários construíram um viveiro de marisco no Guincho, que ainda hoje existe, podendo assim controlar a qualidade e quantidade de muito do marisco a servir neste estabelecimento.

Sendo o primeiro restaurante de Lisboa a ser considerado de «utilidade turística», teve o seu mobiliário fornecido pela já desparecida e prestigiada empresa "Móveis Olaio". A decoração de interiores e o designe do mobiliário ficou a cargo de  José Espinho, na época colaborador e responsável pelo desenho de mobiliário da “Móveis Olaio”.

Actualmente fechada para obras tem o estatuto de "qualificada" e o novo proprietário de nacionalidade chinesa abrirá dentro de meses não podendo modificar os seu interior e recheio e mantendo as características alimentares que tornaram esta casa num icon nacional.

 

Fotos dos finais dos anos 50 do século XX

 

 

                    Capa do Menú                                                           Postal publicitário de 1956

        

1966

No dia da inauguração podia-se ler num artigo do "Diário de Lisboa":

«O amplo salão restaurante "Solmar", que dispõe de uma grande galeria e tem ao centro, além de uma interessante fonte luminosa, um aquário, tem a fazer de fundo e valorizá-lo um admirável painel - da fauna marítima - em cerâmica esmaltada, género inglês, da autoria do artista Jorge Pinto».

«A convite dos proprietários do novo restaurante, o sr. Carlos Alberto Pereira da Rosa, que representava seu pai, sr. João Pereira da Rosa, cortou a fita simbólica.
Durante o magnífico lanche, fornecido aos convidados, foram distribuídos pela sra. D. Rosa Ferreira Cabral, proprietária da "Casa Copélia", lindas rosas, cravos e orquídeas ás numerosas senhoras convidadas».

   

Já tendo comemorado o cinquentenário da sua existência, ainda hoje mantém praticamente intacta a decoração interior original de 1956.

  

Actualizando este artigo ao ano de 2017,  o Restaurante-Cervejaria “Solmar”, encerrou, crê-se que definitivamente, em Janeiro de 2016, estando em vias de classificação, tanto o espaço como o seu mobiliário, pelo IGESPAR.

Fotos de 2015

 

 

 

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Solmar, Delcampe.net

25 de fevereiro de 2013

SATA - Serviço Açoreano de Transportes Aéreos

Em 1830 é criada na cidade da Horta a casa comercial “Elias Bensaúde”, e em Ponta Delgada, a “Salomão Bensaúde”, que se fundem em 1872, dando origem à “Casa Bensaúde e Cª, Limitada”, com sede em Ponta Delgada. Anos mais tarde iria ser o maior potentado económico dos Açores, e proprietária do “Banco Micaelense”, “Companhia de Seguros Açoreana” (1892), “Empresa Insulana de Navegação” (1871) , “Fábrica de Tabaco Micaelense” (1866), “Sociedade Terra Nostra” (1933), entre outras.

Depois da II Guerra Mundial, a base aérea de Santa Maria, nos Açores,  transforma-se em aeroporto comercial e de escala para abastecimento de aviões. Aproveitando a atmosfera próspera, a “Casa Bensaúde e Cª, Limitada” , juntamente com outros cinco notáveis açorianos dos quais se destaca Augusto Rebelo Arruda, fundam em 21 de Agosto de 1941 a “Sociedade Açoriana de Transportes Aéreos”, com sede na cidade de Ponta Delgada na Ilha de São Miguel.

                                                                   Aeroporto de Santa Maria em 1946

                                 

Passados seis anos, em 1947, foi alterada a sua designação para “Sociedade Açoriana de Transportes Aéreos, Limitada” (SATA). A 15 de Junho de 1947, o sonho dos fundadores materializou-se sob a forma de um pequeno «Beechcraft» (CS-TAA) chamado “Açor”. Esta aeronave transportava 7 passageiros e 2 membros de tripulação, iniciando as ligações aéreas entre as ilhas de São Miguel (na pista de Santana, até 1969), de Santa Maria e da Terceira (na pista da Achada, Lajes).

                                                      «Beechcraft» (CS-TAA), “Açor”  em 15 de Junho de 1947

  

                                                           Postal evocativo do acontecimento em 2007

                                 

                                                     Anúncio no “Diário de Lisboa” de 15 de Junho de 1947

                                       

Pelas dez horas da manhã de 5 de Agosto de 1948, no vôo para Santa Maria, o "Açor" falhou na descolagem em São Miguel, despenhando-se no mar. Os dois tripulantes e os quatro passageiros pereceram, e a carga foi perdida. A perda da aeronave obrigou à suspensão temporária das operações da SATA. A 23 de Maio de 1949, chegaram a São Miguel dois aviões «De Havilland» DH 104 Dove, com capacidade para 9 passageiros. Anos mais tarde, a frota foi aumentada com a aquisição de um «Douglas DC-3» (CS-TAD), em 21 de Agosto de 1963, com capacidade para 26 lugares, tendo entrado em operação em 1 de Julho de 1964.

                                                                 «De Havilland» DH 104 Dove, de 1949

                                

                                

                                

                                                                  «Douglas DC-3» (CS-TAD), de 1964

                                 

Em 1972, é decidida a compra dos aviãos «Avro» HS 748 com capacidade para 48 lugares, que já voavam nos Açores desde 1969.

                                             «Avro» HS 748 de 1969, no Aeroporto da Horta e fotos seguintes

                                 

 

 

Em 1976, a Força Aérea Portuguesa cede à SATA 2 aviões «Douglas» DC-6 e é proposta a regionalização da empresa à Assembleia da República.

A SATA, inicialmente constituída como empresa privada, veria o seu estatuto evoluir, em 17 de Outubro de 1980, para uma empresa pública sob tutela do Governo Regional dos Açores passando a designar-se “Serviço Açoriano de Transportes Aéreos, Empresa Pública”, embora mantendo a sigla de sempre - SATA. Foi comprada ao Grupo Bensaúde, ficando 50% das acções pertencer ao Governo Regional dos Açores, e as restantes, à TAP Air Portugal, EP. Depois de em 1980, aderir à Associação Europeia de Companhias Aéreas Regionais (sigla ERA) e à Associação Internacional de Transportes Aéreos (sigla IATA), em 1986, Dr. Mota Amaral, então Presidente do Governo Regional dos Açores, sugere a adopção da designação "SATA Air Açores".

                                 

                                                                           «Douglas» DC-6 em 1976

                                 

                                                                                   «Boeing» 737-300

                                 

Entre 1989-1990, os aviões «Avro» HS 748 são gradualmente substituídos pelos aviões da «British Aerospace» ATP. O primeiro avião de nome "Santa Maria" entra ao serviço em 1989, o segundo avião de nome "Flores", em 1990, e o terceiro avião de nome "Graciosa", em 1991. Em 1991, o pequeno avião «Dornier» 228-212 inicia as ligações aéreas para a Ilha do Corvo, substituindo o avião «Aviocar» C212 da Força Aérea Portuguesa.

                          «British Aerospace» ATP                                                               «Dornier» 228-212

  

A “SATA Internacional” é uma companhia subsidiária da “SATA Air Açores”, licenciada para operar voos no exterior dos Açores. Resultou da aquisição e transformação da companhia de táxi aéreo "Oceanair", em 1994. A 19 de Março de 1998, altera-se a designação de "Oceanair" para “SATA Internacional”, e a 17 de Junho de 1998, a companhia obtêm o Certificado de Operador Aéreo.

Em 1999, a “SATA Internacional” ganha o concurso para as ligações aérias entre Ponta Delgada e o Continente, e para Funchal. Em 2002, ganha mais uma vez o concurso para as rotas que já operava desde há 3 anos. No ano seguinte, a “SATA Air Açores” ganha o concurso - a única concorrente - para a rotas inter-ilhas para a concessão destas rotas.

Em 2007 a Sata comemora os seus 60 anos de existência

                                                               Postais evocativos do 60º aniversário da SATA

 

O “Grupo SATA”, engloba as seguintes empresas:

  • SATA Air Açores - Vôos inter-ilhas do arquipélago dos Açores
  • SATA Internacional – Vôos para fora do arquipélago dos Açores
  • SATA Express – Vôos charter entre os Açores e o Canadá
  • Azores Express – Vôos charter entre os Açores e os Estados Unidos da América
  • SATA Aeródromos – Gestão dos aeródromos do Pico, Graciosa, Corvo e São Jorge

                                                                       «Airbus» A310 - 300 da SATA

                                

                                                                         Frota actual do “Grupo SATA”

                                

                                

«O Grupo SATA de hoje, já está longe do pequeno núcleo familiar de meados da década de quarenta do século passado. Mais de 1.200 trabalhadores participam com empenho e profissionalismo, no desenvolvimento deste importante projeto. Passou de SATA EP, a SATA SGPS, diversificou a sua atividade, reorganizou-se em torno de uma estrutura mais flexível e apta a encarar os desafios que se adivinham. Das cinco empresas que compõem hoje o universo de empresas SATA, encontra duas transportadoras aéreas, dois operadores turísticos e uma entidade gestora dos aeródromos do Arquipélago dos Açores.» in: Grupo Sata

Nota: Algumas fotos e postais gentilmente cedidas por Sotero Ribeiro

fotos in: Aviation in Faial Island, Aviação em Portugal, Sata Air Açores, Timetable Images